Web Estratégica


Consultoria de Marketing

Empresas: as novas promotoras de entretenimento

“Há propagandas em tudo que eu vejo. Em cada site, um banner. Em cada rede social, centenas de marcas querendo meus cliques, meu e-mail, minha atenção aos seus produtos, toda vez que abro meus e-mails recebo links de compras.

No e-commerce a situação é ainda pior, com cupons de desconto e frete grátis todos os dias.

Mas eu não aguento mais ver tantas marcas “me chamando”.

E mais: meus olhos e percepção estão ficando treinados para não prestar atenção nesses chamados que não me interessam.”

 Afinal, como as marcas vão chamar atenção nesse mundo tão concorrido?

 Oferecendo algo que o cliente queira. Oferecendo valor.

O processo de compra é subjetivo, emocional, antes de ser racional. Como conquistar valor para seu cliente?

 No meio da indústria de entretenimento e informação (jornais, revistas) tradicionais, estão as empresas buscando atenção do consumidor, num oceano de informação. O maior desafio das empresas que trabalham com marketing é produzir conteúdo que realmente engaje seu público.

 Marcas competem pela atenção de seus clientes com os inúmeros canais disponíveis. E acabaram por entrar cada vez mais no negócio do entretenimento para se relacionar com seus consumidores.

 Acontece que a indústria do entretenimento se especializou nisso e bem, parece que dá certo. Com a revolução digital, os custos para produzir e divulgar conteúdos despencaram, o que possibilitou o desenvolvimento de mais conteúdo por quem não era especializado. Um viva para as marcas e novo jeito se comunicar com o público.

 Como podem as empresas utilizarem o conhecimento já disponível da indústria do entretenimento?

 – Modelos de desenvolvimento. Muitas empresas de mídia começam com uma abordagem lenta, testando conteúdos, para desenvolver em escala o que está dando certo. É uma abordagem em que muitos esforços pequenos podem não ser bem sucedidos, mas pode encontrar um formato capaz de subsidiar o modelo inteiro.

 – Uso de influenciadores e superstars: tem sua importância para uma estratégia de sucesso. Eles podem ter um efeito sobre o desempenho e a credibilidade de um título, são capazes de puxar uma audiência. A chave para as marcas é ser capaz de converter a afinidade do superstar para o conteúdo.

 – Conteúdo viral – Um viral na internet equivale a um blockbuster. Empresas como Buzzfeed e Upworthy estão trabalhando com otimização de conteúdo e títulos provocantes para viralizar. Mas quando o Facebook fez mudanças em seu algoritmo, para “mostrar conteúdo de qualidade”, o Upworthy viu seu tráfego cair 25%. A verdade é que você pode fazer um milhão de pessoas ver um conteúdo, mas não pode fazê-las gostar.

 – Estratégia de Conteúdo – Como marca, possuir conteúdo e canal é fundamental. O público agora controla o que consome mais do que nunca. Depois da NetFlix (e até antes, com o próprio YouTube, Torrent e outros), ninguém fica esperando para nada, as plataformas  passaram a ter seus próprios canais de conteúdo dirigido, como canais no YouTube. E as marcas acompanham essa tendência, não deixam nada a desejar. O exemplo maior é a RedBull, com seu canal de esportes e ação. Há muitos outros exemplos, inclusive o próprio Lego que lançou um filme recentemente.

 Nesse sentido, as empresas tem feito incríveis progressos nos últimos anos no sentido de se tornarem editoras de conteúdo. Em um mundo cada vez mais poluído em termos de publicidade, olhar para entretenimento e estratégias de conteúdo pode significar estar um passo a frente.